NOVIDADES NO GOOGLE

O sistema operacional Android para celulares inteligentes é um ativo muito importante para o Google, mas não é crítico, afirmou o presidente-executivo da empresa em depoimento judicial.

Larry Page depôs pelo segundo dia, nesta quarta-feira, em uma grave disputa judicial com a Oracle quanto à tecnologia de smartphones. A Oracle abriu processo contra o Google em agosto de 2010, alegando que o sistema operacional Android desenvolvido pela empresa viola seus direitos de propriedade intelectual sobre a linguagem de programação Java.

Larry Ellison, presidente-executivo da Oracle, depôs na terça-feira afirmando que a Oracle havia estudado a possibilidade de desenvolver um celular inteligente próprio, mas decidiu contra a ideia.

Questionado por um advogado do Google, Ellison afirmou que a Oracle considerou diversificar para além do seu principal negócio de software de banco de dados e comprar um fabricante de smartphones, incluindo Palm e Research in Motion, fabricante do BlackBerry. “Foi uma ideia que eu queria explorar. Nós analisamos isso e decidi que era uma má ideia”, disse no tribunal, segundo o jornal inglês The Guardian.

O Google, por sua vez, afirma que não viola patentes da Oracle e que esta não tem direito de aplicar propriedade intelectual sobre certas porções da linguagem Java, uma linguagem de software “de fonte aberta”, ou publicamente disponível.
Ellison afirmou ao tribunal também que o Google é a única empresa que não comprou alguma licença do Java, enquanto outras companhias, como Samsung e Amazon, compraram. “Só porque algo é open source não significa que você pode fazer o que quiser com ele”, disse.

Questionado pelo advogado da Oracle, Page disse que o Android é muito importante, mas contestou sua definição como “crítica”. Ele afirmou em seguida que não se surpreenderia caso o conselho do Google tivesse sido informado de que o Android era crítico para a empresa.

Page também declarou que não estava ciente das políticas do Google quanto a copiar propriedade intelectual de outras empresas, mas afirmou que sua companhia nada fez de errado. “Fomos muito cuidadosos quanto às informações que usamos e aquelas que não usamos”, disse ele.

Entenda o processo Oracle-Google

A Oracle processou o Google em agosto de 2010 sobre sete patentes e reclamações de direitos autorais sobre a linguagem de programação Java. De acordo com a Oracle, o sistema operacional móvel Android, do Google, ignora os direitos de propriedade intelectual do Java, que foi adquirido quando a empresa comprou a Sun Microsystems.

O Google afirma que não viola as patentes da Oracle, e que a Oracle não pode ter os direitos autorais sobre certas partes do Java, que é uma linguagem de programação. O julgamento diante do juiz distrital William Alsup, em São Francisco, deve durar pelo menos oito semanas.

No início do processo, as estimativas de prejuízo eram de US$ 6,1 bilhões. Mas o Google limitou as reclamações da Oracle e agora permanecem apenas duas patentes, reduzindo os possíveis prejuízos. A Oracle está buscando aproximadamente US$ 1 bilhão em violação de direitos autorais. Nas duas patentes, a companhia rejeitou uma oferta de acordo do Google de US$ 2,8 milhões, mais 0,5% da receita de uma patente do Android que expira em dezembro e 0,015% de uma segunda patente que expira em abril de 2018.

Com informações da Reuters